Exames de mamografia e prevenção de colo uterino serão disponibilizados para 150 pacientes zerando fila de espera que chegava a um ano para marcar

A Unidade Móvel de Prevenção de Câncer de Mama e Colo Uterino atenderá durante essa semana na cidade de Itaguru, no Vale do São Patrício. Vinculada à Policlínica de Goianésia a unidade é chamada Carreta da Prevenção por ser um serviço itinerante de atenção à saúde da mulher que realiza exames de mamografia e Papanicolau em mulheres cadastradas pela Superintendência de Regulação da Secretaria Estadual de Saúde.

Implantado pelo Governo de Goiás desde 2019 o serviço de prevenção auxilia a prestação de atenção à saúde da mulher na detecção de câncer de mama e colo uterino. Após percorrer cidades distantes como Porangatu, Barro Alto e Goianápolis a unidade chega agora ao centro de Goiás disponibilizando exames para 30 mulheres por dia e tendo por meta realizar 150 atendimentos até o final da semana.

De acordo com a gerência de atenção básica no município de Itaguaru serão atendidas somente mulheres da cidade, visando zerar a fila de espera por mamografia e Papanicolau, que em alguns casos chegava a ser de até um ano para realização.

A dona de casa Dayanne Celestino da Silva foi atendida nessa segunda-feira com horário marcado e disse ficar agradecida com a forma rápida e atenciosa com que foi tratada. “É muito bom ser tratada assim no serviço público, a gente fica agradecida. Sempre quis fazer um exame como mamografia para garantir uma prevenção e consegui pela primeira vez com facilidade”, comenta.

Dayanne é mãe de duas filhas, uma de 14 e outra de nove anos. Aos 31 anos ela foi incluída na relação das pacientes com perfil para realizar a mamografia e comemorou a possibilidade. Pelo protocolo das Policlínicas a idade mínima para realização de mamografia é 35 anos, mas podendo ser realizada de acordo com as possibilidades de vagas nas cidades em que a Carreta da Prevenção é levada.

“Gostaria que o serviço incluísse também ultrassonografia endovaginal, que é um exame difícil de conseguir no interior. A gente às vezes espera por meses para poder marcar um exame assim e precisa ir para outra cidade para poder fazer. Se a carreta tivesse um serviço assim seria muito mais fácil pra gente”, resume.

As sugestões e pedidos das pacientes atendidas são encaminhadas pela direção da Policlínica para a Regional de Saúde da SES que dá andamento nos pleitos.

Ajustar fonte